sábado, 16 de fevereiro de 2019

"(...)As ambivalências, contrastes, são as belezas de sermos humanos,e se aceitarmos nossas  mazelas, nossa humanidade, encontraremos cada vez mais frestas, a iluminar nosso caminho, para um Céu em Véu, onde podemos contemplar o Infinito, do qual somos e fazemos partes. Quando nascemos, esquecemo-nos da nossa Eternidade, e quando despertamos, começamos a lembrar que tudo não passou de um sonho, mesmo em estado de vigília, então começa a nossa Jornada para descobrir quem somos, o puro amor que se origina da Fonte do Tudo que É." (Livro Céu sem Véu, de Rodrigo Giovani Borchardt

Entrevista com
Rodrigo Giovani Borchardt
de Rodeio - Santa Catarina
Blog:Publicou de forma física ou online? Quais as  vantagens e desvantagens de se publicar pela forma que escolheu?
Rodrigo:  Publiquei de forma online. As principais desvantagens é que sem um serviço de edição, formatação e criação de capas, geralmente não ficará um trabalho profissional, pois o escritor precisaria destas habilidades além de saber escrever. Ou contratar alguém para fazer estes serviços. Mas existem muitas vantagens, pois hoje qualquer escritor pode realizar o sonho de escrever e publicar um livro. Com o marketing ideal, acho que é até possível viver de literatura, publicando de forma online.

Blog: Qual o seu conselho para as pessoas que querem lançar um livro?
Rodrigo: Se alguém quiser publicar um livro, deve primeiramente gostar de escrever. Todos tem um propósito ou dom singular para dar aos outros e escrever também é um Ofício Divino.

Blog: Como vê a literatura no Brasil?
Rodrigo: A literatura é como deve ser. Nada acontece por acaso. Como escritor de espiritualidade, acredito que tudo que acontece é por alguma razão. Brasil é um país muito rico em cultura e diversidade, com a literatura também não é diferente.

Blog: O que é preciso para que a literatura nacional seja mais valorizada?
Rodrigo: Que os autores acreditem em si mesmos. Se o autor não acreditar naquilo que escreve, se este mesmo não valoriza seu trabalho, esperar apenas reconhecimento dos outros é uma tarefa hercúlea, além de não ter um sentido em si, como propósito.

Blog: Como faz para divulgar o livro? Qual a melhor forma?
Rodrigo: Tenho um blog Wordpress que está conectado ao Twitter e linkedln. No facebook faço as postagens manualmente na minha página. Compartilho pequenos trechos de minhas obras, com o link que dá acesso a compra do livro em pdf ou impresso.

Blog: Quando começou a escrever, já fazia planos de seguir carreira?
Rodrigo: Sim, desde meu primeiro livro já havia ideia de ser reconhecido como escritor. Com o passar do tempo, fui escrevendo vários livros e o ideal de um projeto ficou cada vez mais visível. Hoje não me vejo fazendo outra coisa senão escrevendo ou compondo (também sou músico).

Blog: Qual a função social da literatura?
Rodrigo: Conheça a ti mesmo. Esta é a função da literatura, pois esta funciona como um espelho, desperta nos leitores o espírito de aventura, imaginação e criatividade. Algumas pessoas consideram um livro simplesmente mais um produto. Para mim, um livro é uma verdadeira obra de arte.

Blog: A internet influencia na carreira do escritor?
Rodrigo: Com certeza, com a internet, qualquer conhecimento está disponível. Basta um pouco de vontade e curiosidade para mergulhar num mundo que até então estava desconhecido. Como escritor de Ocultismo e Espiritualidade, vejo que conhecimentos que a muito tempo apenas ficaram guardados em Escolas de Mistérios, hoje estão disponíveis na internet e qualquer pessoa tem acesso.

Blog: Deixe um recado para seus leitores e seguidores do blog:
Rodrigo: Minha mensagem aos leitores é uma mistura de predestinação e livre arbítrio. Temos a possibilidade de escolhermos nossa própria realidade, além de ter um guia muito confiável, que é o Próprio Universo. Para alcançares o sucesso, misture movimento e descanso, como doses de meditação e introspecção. Impossível não saber o que fazer, o guia infalível que chamamos Universo, Deus, Poder Infinito ou qualquer nome que quisermos dar, tem um plano para nós. Não viemos aqui simplesmente para estudar, trabalhar e ter uma família, destino comum que todos aceitam sem questionar. Existe algo mais, o que é, não tenho a presunção de definir, apenas contemplar... gratidão pela entrevista! É um enorme prazer poder compartilhar um dom sagrado e especial que recebi do Infinito Poder Inescrutável que tudo sabe e tudo vê!

Siga o Rodrigo Giovani Borchardt
Facebook, clique aqui
Twitter, clique aqui
Email: nosmundoslivres@gmail.com
Youtube, clique aqui 
Livros do Rodrigo, clique aqui

domingo, 6 de janeiro de 2019

"Incentivar a leitura é a forma 
mais eficaz de disseminar a cultura 
e valores, incentivar a imaginação 
e despertar a criatividade" 
(Elaine Sekimura)

Entrevista com 
Francisco Djacyr Silva de Souza
de Fortaleza - Ceará

Blog: Publicou seus livros de forma física ou online? Cite as vantagens e desvantagens.
Djacyr: As vantagens: Possibilidade de publicação sem muita dependência de editoras que desvalorizam o autor sem muito nome ou famoso. Favorece mais incentivo ao desafio de escrever.
Desvantagens: Falta divulgação dos livros. O custo de produção é muito alto o que inviabiliza a venda dos livros. Não há interação entre os que administram a página e os autores. A plataforma  em que publico não dá margem de lucro para o autor, pois hoje se limita apenas a imprimir os livros sem preocupação com as expectativas de venda do autor. A maioria dos livros ao chegar ao autor vem com preço extremamente caro e fora da lógica de mercado.

Blog: Qual o seu conselho para as pessoas que querem lançar um livro?
Djacyr: Seja ousado e publique, não guarde na gaveta nem vá na opinião dos outros. Toda produção é válida por mais simples que seja.

Blog: Como vê a literatura no Brasil?
Djacyr: Ainda muito desvalorizada, uma vez que o número de editoras que vem fechando é muito grande. A internet em certos casos está destruindo o prazer de ler.

Blog: O que é preciso para que a literatura nacional seja mais valorizada?
Djacyr: Incentivo ao autor, barateamento dos preços das grandes obras, maior apoio do meio educacional no sentido de valorizar a leitura.

Blog: Como faz para divulgar o livro? Qual a melhor forma?
Djacyr: Uso a internet e conversas do dia a dia. A melhor forma seria a divulgação física dos livros.

Blog: Quando começou a escrever, já fazia planos de seguir carreira?
Djacyr: Sempre gostei de escrever - a magia de escrever, independente de ser famoso ou não, é muito boa.

Blog: Qual a função social da literatura?
Djacyr: Pode abrir mentes, pode ensinar a escrever e a ler, tem papel na construção da sociedade, tem importância vital na melhoria do nível intelectual do nosso povo. É preciso criar mecanismo de divulgação da leitura, principalmente dos clássicos que tem maior compromisso com a língua portuguesa.

Blog: A internet influencia na carreira do escritor?
Djacyr: De certa forma, pois pode ser uma grande fonte de pesquisa e aprendizado.

Blog: Deixe um recado para seus leitores e seguidores do blog:
Djacyr: É preciso entender o pensamento dos autores, é preciso valorizar a leitura. Os livros que escrevo tem sempre um conteúdo social, uma visão de mundo onde o respeito seja elemento vital na construção de relações. É preciso mudar a lógica da leitura. Toda leitura é válida. Converse com o seu autor para entender a lógica de seu texto.

Siga o Djacyr:
Facebook, clique aqui
Instagram, clique aqui
Livros publicados dele, clique aqui

quarta-feira, 2 de janeiro de 2019

"Sentiu algo no fundo do seu peito, algo estranho com o qual não sabia como lidar e, nem sabia se queria lidar. Apenas sabia que já era tarde demais para o que ela lhe pedia." (De Jacqueline A Dama Escandalosa)
Jussileia Florencio Bauer (JFB Bauer)
de Porto Alegre - RS 

Blog: Publicou de forma física ou online?
JFB Bauer: A maioria dos meus livros são e-books publicados na Amazon.  São 10 livros. E consegui publicar dois livros em físico. Quando um homem ama uma mulher, que já acabou o contrato com a editora, e Imperfeito Amor pela PL que tem para vender na Saraiva, o link do livro é esse aqui.

Blog: Quais as vantagens e desvantagens de se publicar pela forma que escolheu?
JFB Bauer: O livro físico sempre é o sonho da escritora, mas é muito difícil. As editoras pequenas que aceitam seu livro, pois você é uma escritora desconhecida e não tem muita estrutura. Coitadas mal conseguem se manter. E as editoras famosas só dão chance para quem vai poder devolver o investimento. Então a melhor forma é o ebook. Eu gosto muito. Contudo o ponto negativo é que ainda tem muitas leitoras resistentes ao livro digital.

Blog: Qual o seu conselho para as pessoas que querem lançar um livro?
JFB Bauer: Apostar no ebook digital. Acho que no futuro essa vai ser como as pessoas estarão lendo. 

Blog: Como vê a literatura no Brasil?
JFB Bauer: Complicada. Eu acabei de me formar em letras pelas Pucrs, lá aprendemos uma literatura bem diferente, elitizada distante do que eu e outras escritoras produzem e, diferente do gosto dos leitores, mas é a literatura de prestígio. A literatura que escrevo está à margem da literatura de prestígio. 

Blog: O que é preciso para que a literatura nacional seja mais valorizada?
JFB Bauer: Que muito mais pessoas leiam. Quase ninguém lê no nosso país. E quando leem optam por autores estrangeiros. Somente com muito mais leitores a literatura nacional terá chance de crescer.

Blog: Como faz para divulgar o livro? Qual a melhor forma?
JFB Bauer: Eu sou péssima em divulgar kkkk falta de tempo é uma das razões. Mas também sempre penso que o tempo que levo divulgando poderia estar escrevendo meu próximo livro. Porém para divulgar publico em alguns grupos literários do facebook, divulgo no Instagram e também publico uma degustação do livro no Wattpad.

Blog: Quando começou a escrever, já fazia planos de seguir carreira?
JFB Bauer: Não, foi por brincadeira. Eu escrevia Fanfics. Por falar nisso ainda tenho quatro fanfics publicadas que vou transformar em livro. Uma delas eu já fiz que foi o livro Quando um homem ama uma mulher. Então eu apenas escrevia por diversão e aos poucos você vai pegando o jeito e pensando: gente! Eu posso mesmo ser escritora!

Blog: Quando olha para trás sua maior satisfação é poder dizer...
JFB Bauer: Que consegui escrever tantas histórias que ajudaram e emocionaram muitas pessoas.

Blog: Qual a função social da literatura?
JFB Bauer: Nossa! São várias. Abre sua mente para o mundo, faz você viajar por universos inimagináveis, faz você viajar sem sair de casa, ajuda você a se formar como cidadão, ajuda a formar opinião, ajuda ter uma compreensão de textos melhor e ajuda muito a escrever melhor.

Blog: A internet influencia na carreira do escritor?
JFB Bauer: Hoje em dia é primordial. Gostaria de ter mais tempo para saber usar melhor essa ferramenta para mais pessoas conhecerem meu trabalho.

Blog: Se pudesse voltar no tempo, mudaria alguma coisa?
JFB Bauer: Acho que não. Talvez apenas devesse ter começado a escrever antes. Comecei apenas em 2012.

Blog: Deixe um recado para seus leitores e seguidores do blog:
JFB Bauer: Olá, queridos leitores e leitoras. Sempre busquem novos escritores. Podem encontrar alguém desconhecido que possam gostar, tipo eu kkkk. Falando sério agora, se buscam romances com algumas reviravoltas e que ao mesmo tempo parece ser  algo que você pudesse se identificar e viver, venha conhecer os meus romances. Desejo a todos sempre muitos livros, muitas histórias maravilhosas para que possamos nos divertir e sonhar acordadas.


Siga a JFB Bauer:
Instagram, clique aqui
Facebook, clique aqui e aqui
Amazon, clique aqui
Wattpad, clique aqui
Email: jfbbauer@gmail.com

quinta-feira, 27 de dezembro de 2018

ENTREVISTA COM
João Moura Júnior, 
de Sorocaba-SP

Blog: Publicou o livro de forma física ou online? Quais as vantagens e desvantagens de se publicar pela forma que escolheu?
João: Forma Física
Vantagens: Acesso fácil em qualquer hora e lugar, com ou sem internet.
Desvantagens: Logística de entrega, custo e avarias.

Blog: Qual o seu conselho para as pessoas que querem lançar um livro?
João: Ter tempo, uma boa história na mente, com bons desfechos, que a cada página tenha algo que prenda o leitor.

Blog: Como vê a literatura no Brasil?
João: Não como vejo e sim como gostaria de ver: - A melhorar desde que haja campanhas de preparo e incentivo aos jovens que tem interesse neste campo, pois os mais antigos daqui a pouco não estarão mais neste cenário e estes jovens precisam estar preparados e incentivados para dar sequencia ao legado.

Blog: O que é preciso para que a literatura nacional seja mais valorizada?
João: Investimentos e incentivos em um universo comunitário pedagógico maior, valorizando de fato os autores nacionais, com campanhas e palestras gratuitas que resgatem valores e transforme pessoas, estreitando laços.

Blog: Como faz para divulgar o livro? Qual a melhor forma?
João: No meu caso, boca a boca, facebook, pessoas estratégicas em cada capital do Brasil, para que assim ocorra um PG (progressão geométrica). Estou tentando “contaminar positivamente” um fragmento da Flórida. Em específico a comunidade Brasileira na região de Orlando.

Blog: Quando começou a escrever, já fazia planos de seguir carreira?
João: Nunca! Escrevo por puro hobby e essa última obra está sendo doada ao GPACI 100% da primeira edição do que seria destinado ao autor.

Blog: Quando olha para trás sua maior satisfação é poder dizer...
João: Deixarei plantado algo, quem sabe meus filhos ou netos dão sequência e assim sucessivamente...

Blog: Qual a função social da literatura?
João: Vejo como o conforto e o desconforto. O conforto para quem quer se instruir, passar o tempo, viajar nas alças de uma bela história, etc... O desconforto, não quero, não gosto, não concordo...

Blog: A internet influencia na carreira do escritor?
João: Sim, porém positivamente. Em minha opinião, pois eu vejo como uma ferramenta de apoio para grandes pesquisas e no meu caso ao contar mesmo que uma ficção é importante haver pesquisas dinâmicas, associando verdades e isso a internet proporciona com muita relevância otimizando o tempo de pesquisa.

Blog:Se pudesse voltar no tempo, mudaria alguma coisa?
João: Sim, claro! Não penso em números de loteria, enriquecimento, mas com certeza, ouviria com muito mais atenção os meus pais...

Blog: Deixe um recado para seus leitores e seguidores do blog:
João: Você pode até ser tolo, cometer atos falhos por algum momento, mas não seja um idiota uma vida inteira. Se sabemos que a excelência existe e que ser melhor é possível, então ser o bom, o “dá para o gasto” já não bastam...
E não deixem de ler: O Tempo, se não for devagar que ao menos seja eterno... Em breve os mesmos personagens de O Tempo estarão na nova obra: O Círculo Invisível, e os acertos humanos.

Siga o João Moura Júnior:
Facebook, clique aqui 
Site, clique aqui 

domingo, 23 de dezembro de 2018

Entrevista com 
José Armando da Costa Waeny 
de São Paulo-SP
Blog: Publicou o livro de forma física ou online? Quais as vantagens e desvantagens de se publicar pela forma que escolheu?
José Armando: Meus livros estão publicados sob a forma de e-books na AMAZON, e Impressos na AGBOOK/CLUBE DE AUTORES, onde se imprime sob demanda, ou ainda comigo, onde fiz algumas pequenas tiragens de alguns títulos. Mas, também tenho o “MEMÓRIAS DE UM TEMPO PERDIDO”, publicado pela editora ESTREMOZ, que está distribuindo e vendendo no Brasil e Portugal.
Os eletrônicos, e-books, são mais fáceis de serem publicados, pois tem custo zero e podem facilmente ser ajustados às plataformas digitais, mas não tem tantos leitores como os impressos. Estes, já tem diversos custos associados à sua produção, mas tem mais interessados do que os e-books.

Blog: Qual o seu conselho para as pessoas que querem lançar um livro?
José Armando: Que tomem cuidado com promessas vindas de empresas pouco idôneas. Geralmente, nem tudo sai como se espera. Eu tive a sorte de ser publicado pela editora ESTREMOZ, que trabalhou sem grandes problemas comigo, chegando à distribuição, neste momento. Também confirmo que é muito difícil uma editora tradicional publicar um autor desconhecido, visto que preferem trabalhar com títulos de escritores estrangeiros, que já são lidos no exterior, e diminuem o risco do investimento.

Blog: Como vê a literatura no Brasil?
José Armando: Bem, estamos atravessando uma baita crise financeira, e do mercado livreiro, em geral, com a quebra das grandes redes. Mas acredito que isto pode resultar em um novo formato de mercado, trazendo à tona oportunidades para o aparecimento de novos escritores, como eu.

Blog: O que é preciso para que a literatura nacional seja mais valorizada?
José Armando: Antes de mais nada, o brasileiro precisa voltar a aprender a ler. Lembro que nas escolas em que estudei, isto era muito oferecido e cobrado: tínhamos aulas de literatura, onde as obras eram discutidas e explicadas, e o incentivo à literatura era constante. Este seria um primeiro passo para que os jovens voltassem a ter contato com a literatura brasileira.

Blog:Como faz para divulgar o livro? Qual a melhor forma?
José Armando: A forma correta, é aquela que dá resultados; eu divulgo constantemente nas redes sociais, especialmente em locais temáticos, onde haja bom número de leitores ou interessados, e em blogs especializados em livros, através de entrevistas e resenhas.

Blog: Quando começou a escrever, já fazia planos de seguir carreira?
José Armando: Não, sempre sonhei em escrever, mas não sabia que seria capaz disto. Comecei a escrever em 2016, quando decidi juntar fatos de um fato familiar, que me inspirou e deu origem ao meu primeiro livro, “HERANÇA VIVA”. Depois de constatar a qualidade da obra, a criatividade deslanchou e escrevi outras obras.

Blog: Quando olha para trás sua maior satisfação é poder dizer...
José Armando: Eu escrevi, e gosto do que está lá registrado!

Blog:Qual a função social da literatura?
José Armando: Acredito que a literatura sirva de guia para quem está tentando se encontrar, ou mostre como personagens encontraram meios de prosseguir em sua jornada, depois de dificuldades. Livros são fontes de instrução.

Blog: A internet influencia na carreira do escritor?
José Armando: Sim, com certeza! É um elemento da vida contemporânea, e tem que estar presente nos livros e na vida de um escritor. A internet é uma grande fonte de pesquisa e informação para um autor, além de ser um importante ponto de divulgação e interação com leitores e outros autores.

Blog: Se pudesse voltar no tempo, mudaria alguma coisa?
José Armando: Não mudaria nada; gosto do que escrevi, e lamento não ter tido a iniciativa há muitos anos atrás.

Blog: Deixe um recado para seus leitores e seguidores do blog:
José Armando: Prestigiem a literatura nacional: o brasileiro é o povo mais criativo do mundo, e livros são fontes preciosas de informação. Deixem-se levar por histórias que estão em compasso com sua cultura, e que falem das coisas e da forma de vida de vocês.

Siga o autor:
Blog, clique aqui
Facebook, clique aqui
Instagram, clique aqui

sábado, 22 de dezembro de 2018

Entrevista com Evellyn Miller, 
de Uberlândia - Minas Gerais
Blog: Publicou de forma física ou online? Quais as vantagens e desvantagens de se publicar pela forma que escolheu?
Evellyn: Publiquei na forma online, porque através da Amazon é possível fazer a auto publicação de forma gratuita. Meu grande sonho é lançar meus livros no formato físico, para que possam alcançar um maior número de leitores. Eu, por exemplo, antes de publicar na Amazon não tinha o hábito de ler ebooks. Muitas pessoas não gostam do formato digital e ainda tem o detalhe de ter que criar conta na Amazon e usar cartão de crédito para fazer a compra. Sei que tem várias pessoas interessadas em ler o livro no formato físico. Eu já enviei os dois originais para análise de algumas editoras. Espero ter boas notícias em breve.

Blog: Qual o seu conselho para as pessoas que querem lançar um livro?
Evellyn: Primeiramente é preciso ter coragem para lançar um livro. Segundo é preciso ter inspiração, disciplina, paciência, persistência e resiliência para não perder o foco e não desistir diante das dificuldades. Terceiro: muita disposição e tempo para o trabalho intenso que envolve a divulgação da obra.

Blog: Como vê a literatura no Brasil?
Evellyn: Eu gostaria que os brasileiros lessem mais e também escrevessem mais. Temos excelentes autores nacionais, inclusive contemporâneos. Tenho me interessado muito pela literatura nacional.

Blog: O que é preciso para que a literatura nacional seja mais valorizada?
Evellyn: É necessário que os autores abordem temas relevantes e que sejam originais, autênticos. Ultimamente tenho visto muitas publicações que são réplicas umas das outras. A história da mocinha pobre com o homem milionário, por exemplo, há centenas de obras com essa mesma temática. Por mais que a escrita do autor seja boa, já não chama mais a minha atenção. Saliento que é a minha opinião pessoal. Há pessoas que gostam dessa temática, mas tenho visto muitas reclamações de leitores sobre a mesmice da literatura nacional.

Blog: Como faz para divulgar o livro? Qual a melhor forma?
Evellyn: Assim que lancei na Amazon, eu criei um perfil vinculado a uma página no Facebook e também uma conta no Instagram, que utilizo para divulgar os trabalhos e interagir com os leitores. Em minha opinião, a forma mais eficaz de divulgação é através de parcerias com pessoas que possuem perfis literários e blogs, que lêem e resenham as obras. Quase sempre essas pessoas motivam seus seguidores a comprar o livro também.

Blog: Quando começou a escrever, já fazia planos de seguir carreira?
Evellyn: Não. Eu comecei a escrever só como forma de catarse mesmo. Vivia uma fase difícil, estressante e descobri que a escrita me trazia alívio, libertando a minha mente. Assim que comecei a ter as primeiras impressões dos leitores, comecei a acreditar no meu talento, tanto que ousei encaminhar os originais para análise de editoras.

Blog: Quando olha para trás sua maior satisfação é poder dizer...
Evellyn: Eu escrevi com muita paixão. cada obra minha tem um pedaço do meu coração: meus sonhos, meus medos, minha fé e minha esperança em dias melhores.

Blog: Qual a função social da literatura?
Evellyn: Importantíssima. Um escritor é um formador de opinião, portanto ele deve ter cuidado com o que escreve. É lógico que literatura não precisa ter compromisso com a realidade, mas em minha opinião, escritores não devem incentivar alguns comportamentos ruins e retrógrados, tais como romantização da violência, estupro e abuso, bem como comportamentos machistas e preconceituosos. Por outro lado, acho que devemos incentivar coisas boas. Longe de querer ser "a politicamente correta", mas acredito que se eu recebi um dom, tenho que desenvolvê-lo da melhor maneira possível, proporcionando crescimento para as demais pessoas.

Blog: A internet influencia na carreira do escritor?
Evellyn: Certamente. Hoje tudo gira em torno da internet. Fiz várias pesquisas sobre a carreira de escritor e algo que percebi é que hoje as próprias editoras já procuram por autores que "se vendem" sozinhos, que tem um público que o segue e bastante engajamento em redes sociais.

Blog: Se pudesse voltar no tempo, mudaria alguma coisa?
Evellyn: Sim, eu gostaria de ter começado a escrever mais cedo e não na crise dos "quase" quarenta. Hahaha!

Blog: Deixe um recado para seus leitores e seguidores do blog:
Evellyn: Espero que vocês gostem do meu trabalho, foi feito com muito carinho e dedicação. Dá uma passada lá na Amazon e dê uma chance para o ebook. Dependo de número de vendas e avaliações positivas para atrair a atenção de editoras e lançar os livros fisicamente. Não deixem de seguir minhas redes sociais, porque lá sempre tem novidades sobre literatura, música, cinema e também detalhes sobre os meus próximos trabalhos.

Siga Evellyn Miller:
Fanpage, clique aqui
Instagram, clique aqui
Livro Quem escreveu nossa história, clique aqui
Livro Cadete de Aço: lutando contra os próprios medos, aqui

quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

Você quer melhorar a memória, dormir melhor e diminuir o seu nível de estresse? Crie o hábito da leitura!

Além desses benefícios, ler também desenvolve autoconfiança, aumenta o vocabulário e melhora a atividade cerebral. Ler previne Alzheimer e Demência e também o grau de depressão diminui consideravelmente. 

Nunca é tarde para desenvolver bons hábitos! Leia mais!

"Quem pensa que não gosta de ler, 
ainda não encontrou o livro compatível 
com suas paixões"

"Ler é uma boa forma de aprender coisas novas. Quem muito ler, muito irá aprender. Ler é a chave da vida: Abrimos as portas ao conhecimento e com eles alcançamos um mar de sabedoria que nunca termina"